CM Mangualde

Município de Mangualde marcou Presença no 10º Aniversário da ACCIG


A ACCIG – Cultura, Conhecimento e Igualdade de Género celebra este ano o seu 10º aniversário. Ciente do papel que esta associação tem em Mangualde, João Azevedo, Presidente do Município, marcou presença nas comemorações deste aniversário.

A ACCIG é uma associação sem fins lucrativos que tem como principal missão, inscrita nos seus estatutos, a promoção da igualdade de género, o reforço da participação cívica de todos/as os/as cidadãos e cidadãs, em particular de mulheres, sobretudo por serem aquelas que se encontram em posição de maior vulnerabilidade face à exclusão social.

Nasceu no ano de 2009 e teve inicialmente a sua sede em Lisboa, mudando a sua sede para Mangualde em 2015. Fruto de duas candidaturas ao POPH, inserido no Quadro de Referência Estratégico Nacional-Portugal 2007-2013, a ACCIG desenvolveu dois projetos na região centro do país, envolvendo vários municípios tais como: Cinfães, Guarda, Mangualde (onde já trabalhava desde 2010), Seia, Sabugal e Vouzela.

Se, por um lado, a eleição de novos corpos sociais e a vinda da sede social para o concelho de Mangualde, em março de 2015, refletiu o legado deixado pelos projetos anteriormente referidos, por outro, revelou-se uma oportunidade e uma resposta face à necessidade de existir uma associação cuja missão contemplasse a igualdade de género, na região centro do país e em particular na sub-região de Dão-Lafões.

No âmbito da sua intervenção, a ACCIG procura capacitar as pessoas para o exercício de uma cidadania plena, recorrendo, para tal, a metodologias de intervenção que estimulem os/as destinatários/as a tornarem-se agentes transformadores da sua própria realidade. A ACCIG acredita poder contribuir para um aprofundamento da democracia, sobretudo na sua forma participativa, encarando-a mais paritária e diversa, assente numa lógica de promoção da igualdade de oportunidades para todas as pessoas. Para atingir os seus objetivos, a ACCIG propõe-se a intervir de forma mais estruturada e sustentada possível, combatendo as assimetrias regionais existentes e que no contexto de crise económica e social que o país atravessa, têm vindo a agudizar-se.